Iniciativa "Making Smart Cities"      







MAKING SMART CITIES






Uma iniciativa de responsabilidade social da AISR, reconhecida pela
ONU, para tornar as cidades mais inteligentes e resilientes através de
gestão proativa de riscos.







Com planejamento e gestão analítica em políticas públicas as cidades maximizam
consideravelmente o potencial de seus investimentos e reduzem os riscos urbanos.

O que são riscos urbanos?



As cidades estão expostas a riscos e perigos de diferentes áreas.


- Naturais

Inundação, erosão, deslizamento, tempestades, seca, epidemias, infestações, ondas de calor e de frio, incêndio florestal, baixa humidade do ar.

- Tecnológicos

Substâncias perigosas, contaminações, rompimentos de barragens, colapso de edificações, incêndios urbanos, atividades industriais.

- Sociais

Pobreza, desigualdade, violência, criminalidade, abastecimento.

- Econômicos

Endividamento, redução de atividade, mudança de comportamento.

- Meio Ambiente

Desmatamento, degradação, poluição.

- Gestão

Atendimento à procedimentos, más condutas, inexperiência.

- Compliance

Atendimento à normas legais, regulamentações, políticas, diretrizes.


Quem é impactado
por esses riscos,
perigos e desastres?





Pessoas, empresas e governos.

A gestão de risco em áreas urbanas é complexa e envolve quatro fases:







1. Prevenção

É a fase mais importante do processo de gestão de risco. Analisar dados, compreender a história, estar atento aos sinais do presente, prever e estar preparado para o futuro. Quanto maior a atenção nesta fase as chances de danos e desastres diminuem.

 

2. Preparação

Definir, planejar e organizar as ações a serem executadas no caso de ocorrência de desastres de forma a melhorar a capacidade de ação da sociedade (incluindo indivíduos, organizações governamentais, organizações não-governamentais e setor privado) e a reduzir o impacto.

 

3. Resposta

Nesta fase a rapidez em detectar uma situação adversa e agir é fundamental. A gestão de risco antecipa as ações de socorro, assistência às vítimas, evacuação de áreas, entre outros.

 

4. Reconstrução

Trazer de volta o bem-estar da população, restabelecer serviços públicos, reconstruir estruturas e retornar a normalidade. A gestão de riscos auxilia na análise dos danos e nas tomadas de decisão sobre investimentos que permitirão a reconstrução de forma a obter uma infraestrutura melhor preparada do que antes.

MAKING SMART CITIES



Possui 3 contextos apoiados por tecnologias e softwares.


1. Gerenciamento de Riscos

Identifica, entende e gerencia qualquer tipo de risco urbano com base em uma abordagem analítica.

2. Desenvolvimento Socioeconômico

Suporta a avaliação e a redução do impacto social relacionado aos riscos urbanos. Este também permite a gestão analítica de programas de desenvolvimento sócioeconômico, a análise sócio-territorial e o monitoramento das comunidades.

3. Gestão Ambiental

Suporta a avaliação e a redução do impacto ambiental relacionado aos riscos urbanos. Este também permite a gestão analítica e o monitoramento dos programas ambientais.



A iniciativa também permite a contextualização geográfica dos conjuntos de dados e a integração de várias camadas de informação. Isto é essencial para um ganho substancial na compreensão de eventos, processos e comportamentos.

Além de reduzir riscos urbanos e de melhorar o planejamento de governo e de negócios, a iniciativa Making Smart Cities espera ajudar as cidades a:







- Ter uma visão consistente da realidade.

- Aplicar gestão analítica em decisões e ações.

- Obter uma melhor previsão e um melhor planejamento.

- Aumentar a eficiência e reduzir custos.

 

- Melhorar o retorno sobre ativos tangíveis e intangíveis.

- Alavancar o potencial de desenvolvimento socioeconômico e de qualidade de vida.

- Obter um comportamento sustentável.

- Melhorar a qualidade dos serviços prestados à população.

Projeto Base



O projeto base é apoiado pela Prefeitura de Campinas e pela campanha "Making Cities Resilient" da UNISDR. O foco é na cidade de Campinas e em sua Região Metropolitana composta por 20 cidades.

Abrange mais de 3.700 km2 e impacta em torno de 3 milhões de pessoas.









Projeto Expandido



Nossa meta é expandir o projeto para todo o Estado de São Paulo (645 municípios), com o apoio do Governo do Estado e da UNISDR. Inicialmente com as cidades que já participam da campanha "Making Cities Resilient" e, em seguida, todas as demais.

Abrange mais de 248,800 km2 e impacta em torno de 40 milhões de pessoas.

 

Projeto Aberto



Esta iniciativa é aberta a todas as cidades interessadas e alinhadas com nossos princípios, com o Sendai Framework, com o Hyogo Framework e com os "Ten Essentials" da UNISDR em qualquer região do mundo.

Destaques



WCDRR  

A iniciativa "Making Smart Cities" foi apresentada na 3a. Conferência Mundial da ONU sobre a Redução de Risco de Desastres. #WCDRR # ROAD2SENDAI

 
UNISDR  

A AI Systems Research (AISR) torna-se membro da Parceria do Setor Privado (PSP) da UNISDR, grupo de trabalho para redução de risco de desastres, conforme comunicado de Margareta Wahlström responsável pela UNISDR e Representante Especial do Secretário Geral da ONU para Redução de Risco de Desastres.

 
UNISDR ARISE  

Lançamento da iniciativa ARISE (grupo de organizações do setor privado) da UNISDR para o desenvolvimento de sociedades resilientes. A AISR, representada por Fernando Perez de Britto, foi eleita para o Advisory Group e com ponto focal para o Brasil e para a América do Sul e Caribe.

 
UNISDR ARISE  

Apresentado o novo decreto n. 19.135 de maio de 2016 que reorganiza o Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil e que compatibiliza o município de Campinas as premissas do Marco Regulatório de Sendai, os 10 passos estabelecidos na Campanha Cidades Resilientes e a Lei Federal n. 12608 de 10 de abril de 2012 que institui o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil

 
WCDRR  

Fernando Perez de Britto, representante da AISR e da iniciativa "Making Smart Cities", e Craig Fugate, administrador geral da FEMA (Federal Emergency Management Agency) dos EUA, discutem como acelerar a criação de sociedades resilientes com a participação do setor privado.

 

03/03/2015 - Sessão de trabalho com a equipe de gestão de riscos urbanos da Prefeitura Campinas e Sidnei Furtado, promotor da campanha "Construindo Cidades Resilientes" da UNISDR para o Brasil.

13/03/2015 - 3a. WCDRR - Conferência Mundial da ONU para Redução de Risco de Desastres - UNISDR.

23/04/2015 - Workshop em Campinas - "Construindo Cidades Resilientes" a partir do novo Marco de Sendai para Redução do Risco de Desastres 2015-2030.

07/01/2015 - A AI Systems Research (AISR) torna-se membro da Parceria do Setor Privado (PSP) da UNISDR, grupo de trabalho para redução de risco de desastres, conforme comunicado de Margareta Wahlström responsável pela UNISDR e Representante Especial do Secretário Geral da ONU para Redução de Risco de Desastres.

05/11/2015 - Reunião de trabalho e de lançamento do ARISE (grupo de organizações do setor privado) da UNISDR em Londres.

13/11/2015 - Mercocidades: sessão de trabalho da Unidade Temática de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável sobre o tema "Reflexiones sobre retos y oportunidades para la implementación de la agenda de desarrollo post-2015 en el nivel local con énfasis en la gobernanza de la gestión del riesgo de desastres".

30/11/2015 - COP-21 - Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU - FCCC. O documento resultante da Conferência está alinhado com o Marco de Sendai.

21/03/2016 - Workshop sobre gestão de riscos urbanos para a equipe da defesa civil da Prefeitura Campinas (1a. Parte).

23/05/2016 - Workshop sobre gestão de riscos urbanos para a equipe da defesa civil da Prefeitura Campinas (2a. Parte).

03/06/2016 - Apresentação do novo decreto que reorganiza o Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil e que compatibiliza o município de Campinas as premissas do Marco Regulatório de Sendai, os 10 passos estabelecidos na Campanha Cidades Resilientes e a Lei Federal n. 12608 de 10 de abril de 2012 que institui o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil.

08/06/2016 - AISR presente na 1a. Reunião Ministerial e de Autoridades de Alto Nível sobre a Implementação do Marco de Sendao para a Redução de Risco de Desastres 2015-2030 nas Américas.

30/08/2016 - Sessão de trabalho da Câmara Temática de Defesa Civil da região metropolitana de Campinas incluindo a iniciativa Making Smart Cities.

01/09/2016 - Lançamento do livro "Cidades Inteligentes: por que, para quem?" com um capítulo dedicado a atuação do setor privado na redução de risco de desastes e a iniciativa "Making Smart Cities".

04/10/2016 - Reunião geral anual do ARISE (grupo de organizações do setor privado) da UNISDR em Washington.

12/10/2016 - 1o. Congresso Brasileiro de Redução de Risco de Desastres: "Gestão Integrada em RRD no Brasil e o Marco de SENDAI para a Redução do Risco de Desastres 2015 - 2030".

17/10/2016 - Habitat III - Conferência sobre Habitação e Desenvolvimento Sustentável Urbano da ONU - UN-Habitat.

07/11/2016 - 4o. Colóquio Brasil-Portugal - Estratégias de Projeto e Intervenção nas Metrópoles Contemporâneas: Experiências e Perspectivas.

21/11/2016 - Palestra sobre Cidades Resilientes e o Setor Privado em Campinas.

22/11/2016 - VIII Seminário Estratégias para Redução de Riscos e Desastres do Estado de São Paulo.

30/11/2016 - 4a. Conferência Cidades Inteligentes - Cidades do Futuro em Lisboa.

       

AI Systems Research - AISR
E-mail: contato@aisr.com.br
Telefone: +55 11 3486-3257

 

Twitter: @MSmartCities
Instagram: @makingsmartcities
Facebook: makingsmartcities